terça-feira, 20 de maio de 2014

Qualquer coisa bárbaro!!


Olho para o calendário e vejo que passou um mês desde que voltei a trocar de ocupação, trabalho, emprego, aquilo que lhe queiram chamar!

Mas desta vez, com uns dias de repouso antes de começar mais uma nova etapa! E foi nesses dias que a Sibéria, acolheu de braços abertos, aquela que é uma das minhas amigas virtuais. Ou melhor, agora já não é, e mesmo antes, nunca a considerei com tal, porque a sua presença constante na minha vida era tal, que o dia em que nos conhecemos, face to face, foi como as nossas trocas de mensagens.

Pois, falo da Kinhas, quem haveria de ser! Dentro das que tenho é a que está geograficamente mais perto! Como se mil kilometros fossem pouca coisa.... Mas ainda assim e comparada com as outras, é a mais cercana!

Ora visto o não visto, esses dias cá por casa foram um corropio! Os catraios animadissimos porque havia gente nova e eu ainda mais, porque as conversas eram diferentes! E entre cozinhados, sim porque havia que manter o ritual das refeições, e os passeios aquilo pelo sítio, o tempo que estiveram passou a correr!

Foi preciso vir a rapariga, para eu conhecer o Museu da Miniatura! Único no mundo e instalado no lado norte de Andorra! Olhem, mais vale tarde que nunca, e além do mais eu não costumo ficar de férias aqui né? 

Este Museu conta com uma coleção permanente privada do ucraniano Nicolai Siadristy, considerado por muitos o melhor microminiatura do mundo. O museu também apresenta outras coleções sobre a microminiatura.

As exposições sobre microminiaturas contêm fantásticas obras elaboradas à mão a partir de nobres materiais e materiais comuns, como por exemplo a obra de representação dos reis do oriente elaborada sobre um grão de arroz, a representação de uma taberna sobre um grão de sal ou a obra que faz passar uma fila de camelos no olho de uma agulha de coser. A maior parte das obras apenas pode ser observada através de um microscópio!






As fotografias não sei se eram permitidas, mas ainda assim roubei a máquina da Kinhas e fui tirando!!! Adorei as matrioskas! São de um requinte que não podem imaginar! Já para não falar nas micro miniaturas. Eu fiquei boquiaberta, porque jamais pensei que tal fosse possível. Ainda tenho muito que ver e aprender neste mundo.

Como dizia antes foi uma roda viva, o tempo pregou-nos alguma que outra partida, mas não nos impediu que se fizessem umas voltinhas! E ao fim do passeio, por a cozinha estava por nossa conta! Como é óbvio não se experimentaram coisas novas! Eu sim, porque fizemos raclette! Mas não foi coisa que me convencesse e eu continuo a nao ser grande amante de queijos!

Saiu um bundt de Chocolate e uma éspecie de Challah, e para me deixar mal, o raio do Bundt colou na forma, ou pelo menos um pouquinho! O que nao impediu que metade dele, fizesse a viagem de regresso aos Alpes, para saciar a fome dos 2 viajantes!!


Esta minha afinidade com a Kinhas surgiu logo no início deste blog. Se calhar a coincidência de estarmos as duas longe de casa, fez com que nos torná-se-mos mais próximas! E do lado dos Alpes chegaram coisinhas boas! Oh se chegaram! E uma delas chama-se ruibarbo!! Enquanto esteve connosco não o pude preparar e só uns dias depois é que o pude fazer, colocando mãos a mais de uma receita. A que hoje vos deixo é um clássico! De juntar o morango ao ruibarbo, para que a doçura do morango, atenue a acidez desta raíz barbára! Sim, porque a única coisa que se aproveita desta planta, é mesmo o caule! E de preferência que sejam bem firmes e bem rosados! As folhas essas não servem para nada, visto serem altamente tóxicas!

Mas visto o não visto, o que interessa são os caules rosadinhos! E foi isso que fiz! Usar até não poder mais, tendo guardado alguns para próximas receitas! Com parte dele fiz a tarte, o doce de morango e ruibarbo soberbo como diz a minha Lia e, eu confirmo, crumble de maçã, ruibarbo e frutos vermelhos, cuja receita nunca aparecerá, porque como foi a olho e desapareceu numa noite, nem a fotos chegou. Quanto ao doce, sempre podem ver a receita e fazerem, porque não sei quando o poderei publicar por aqui!

Há também versões salgadas, mas essas não me fascinam tanto! Porque será!?!





Depois de muito pesquisar, rendi-me à Galette da Martha Stewart! Não que as outras receitas que encontrei não me fascinassem, mas não queria que a minha primeira experiência com o ruibarbo ficasse mal! Na altura fiz algumas alteraçoes, porque senão ficava sem ruibarbo! É óbvio que quando as faço, aponto, o problema é quando não sei onde ou não sei onde meto o caderno! Isto só eu! Usei uma base de massa brisé à base de polenta, da mesma senhora, que assim que me cruzei com ela, me deixou a salivar!


Galette Rústica de Ruibarbo e Morangos

Ingredientes:

Para a massa:
- 250 gramas de farinha
- 100 gramas de polenta (sémola de milho)
- 1 colher de chá de sal
- 1 colher de sopa de açucar
- 225 gramas de manteiga sem sal, fria cortada em cubos
- 80 - 125 ml de água bem gelada

Para o recheio:
- 300 gramas de ruibarbo cortado em pedaços de 1 cm
- 200 gramas de morangos lavados e cortados
- 100 gramas de açucar
- 1 colher de sopa de essência de baunilha
- 1 colher de sopa de amido de milho (Maizena)
- 1 colher de sopa de sumo de limão
- 30 gramas de manteiga fria cortada em pequenos pedaços
- 1 clara de ovo
- Açúcar mascavado escuro para polvilhar


Execução:
Na receita original a massa é feita com um processador de alimentos. Na falta dele e para este tipo de massa, as quais eu chamo de diabólicas, uso a soqueira, ou então duas facas para evitar tocar muito na manteiga para que com o calor das mãos não derreta.

Numa taça colocamos a farinha, o sal, o açúcar, a polenta e a manteiga fria cortada em cubos. Usando a soqueira, vamos trabalhando a massa de maneira a que a manteiga fique do tamanho de ervilhas. Seguidamente vamos juntando a água, pouco a pouco, até conseguirmos uma massa homogénea.

Dividir a massa em 4 porções e colocar entre película aderente e esticar até obtermos um círculo. mais ou menos 15-20 cm, e 5mm de espessura. Envolver bem cada disco e deixar repousar no frigorifico 1 hora, ou toda uma noite. ( Eu deixei descansar toda a noite)


O recheio deve ser preparado meia hora antes de o usar. Colocando todos os ingredientes numa taça e envolvendo bem, para que desta maneira o ruibarbo e o morango macerem. O facto de ter amido de milho, dar-lhe-á uma coloração rosa claro, mas que depois de cozido não se notará.

Pré aquecer o forno a 180ºC.

Retiramos os discos de massa do frigorífico e deixamos a temperatura ambiente 5 minutos. Colocamos sobre um tabuleiro forrado com papel vegetal e de seguida colocamos o recheio no centro do disco, deixando 4 cm de margem. Depois de distribuído o recheio e o respectivo suco, dobramos sobre o mesmo, a massa restante.






 Distribuir os pedacinhos de manteiga sobre o recheio e pincelar a massa com a clara. Polvilhar com o açúcar mascavado e levar ao forno durante 30 minutos, ou até que a massa esteja dourada.

Retirar e deixar arrefecer. Servir morna ou fria, simples ou com um fio de nata.






Normalmente a massa de uma galette é muito mais frágil que o normal e se a esta lhe juntamos a polenta, ainda o é mais, porque fica muito mais quebradiça. Mas nao se assustem, porque sem PRESSAS, o resultado é perfeito! E se partir um bocadinho qual é o problema? Também não se come inteira! (risos)

E devo acrescentar, que é simplesmente deliciosa!

Enquanto está no forno, é normal que alguns dos sucos comecem a sair, e parece mesmo que se vai desmoronar, mas não! Também é normal!




O que também é normal é que não aguentem muito tempo! Porque o problema é mesmo começar com uma fatia pequenina! E mais se tiverem alguém aí por casa que vos diga enquanto estão no forno: "Oh Mãe, isto cheira bem! Eu quero!!!"






O toquezinho da nata, é dica da senhora Stewart! Simples é perfeita, mas assim pintada de branco, é simplesmente fantástica!

Depois disto, só espero ter mais tempo, para experimentar o que tenho por aqui apontado!

Só espero não perder outra vez o sítio do caderninho!!

25 comentários:

  1. Olá Meninha!
    E tão bom ver-te por aqui no teu cantinho, fazem falta as tuas presenças mais assíduas. ;)
    Olha que coincidências, também experimentei o ruibarbo à relativamente pouco tempo e: Coincidência 1 - o meu ruibarbo também veio dos alpes, como sabes estive de férias na Suiça e trouxe de lá uma generosa quantidade. Cá o preço é proibitivo; Coincidência 2 - também fiz esse maravilhoso e soberbo doce de morango e ruibarbo, fiquei com vontade de o fazer depois de o ver no blog da Inês e no da Lia e para 1ª receita com o dito, queria algo já testado e aprovado. Adorei o resultado, esse doce é um pecado de céu, divinal; Coincidência 3 - também fiz uma galette de morango e ruibarbo, adaptei para uma versão integral e fiz para uma ocasião especial sobre a qual não posso adiantar mais nada de momento. ;) E ainda quero experimentar outras coisas e fiquei fã deste talo encarnado, mas delicioso.
    E chega de coincidências...eheh, agora as tuas galettes, ficaram lindas e sei que são deliciosas. Agora o que deixou mesmo curioso foi essa massa com polenta. Deve ser mesmo boa!!! Aii a Martha Stewart.
    Fico feliz por teres passado belos momentos na companhia da Kinhas que deve ser uma querida.
    Beijinhos. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) Pois eu bem gostava de estar mais por aqui, mas nao tem sido possivel, Celio!
      Olha e ainda dizem que nao ha coincidencias, eh? Pois aparte de haver, so mostra que somos os dois uns gulosos de primeira!!!
      Pois foi muito bom ter a Kinhas ca pela Siberia! Certamente a repetir e eu ca espero a tua galette!!!
      Beijinhos

      Excluir
  2. Olá Mena!
    Adoraria conhecer o Museu. Adoro este tipo de passeios! O que te deves ter divertido com a kinhas, que está para ser mamã.
    Quanto às tuas galletes deve dizer que estã com um aspecto sublime, digno de nos deixar com água na boca e vontade de provar... Ai my god! Ainda bem que não se engorda sé de olhar e imaginar esse sabor!
    beijinhos e muita força
    Paula

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o tempo nao ajudou muito Paulinha!
      De certeza que ias gostar!! Eu vim encantada!!
      Beijinhos

      Excluir
  3. Isso de nunca fazermos de turistas no sítio onde vivemos é normal, acho eu, que também me acontece um pouco com a mania que tenho de sair da cidade ao fim de semana, e só como tu, quando há visitas é que eu descubro coisas novas em Braga, que de novas já não têm nada, a não ser para mim ;)
    Adorei essa galette, a massa deve ser fantástica. O ruibardo continua a ser uma incógnita, ainda não encontrei para o provar, mas a curiosidade só aumenta com partilhas destas.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh Gori, mas Braga é uma cidade grande! E sendo a cidade dos Arcebispos, ha muito para ver!
      Olha que giro, a minha Mãe é de uma terrinha bem perto de Braga! Quem sabe um dia nos cruzamos em braga e serves de cicerone! Assim como assim conhecerás mais do que eu!
      Pois eu sei que o ruibarbo por aí é dificil de encontrar, mas pode ser que alguem se lembre de o produzir em massa!!
      Beijinhos

      Excluir
  4. Adorei o aspecto,como sempre,mas confesso que adorei mais a descrição do Museu...por acaso não tinha coleção de dedais? adoro dedais....beijinhos triplicados da Avó....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ja nao me lembro se tem, mas quando la voltar vou ver isso dos dedais!!
      Beijinhos triplicados

      Excluir
  5. Muito lindas e apetitosas, ficaram as tuas galettes! Eu ainda só provei ruibarbo uma vez: foi oferta da minha nora quando vim de Londres e cá, fiz Compota simples e ficou muito agradável. Imagino com morangos!
    Outra delícia foi passear "contigo" e visitar o Museu das Miniaturas. Deve ser bem original.
    E que bom foi teres conhecido a Kinhas e terem podido pôr a conversa em dia!
    Um bom reinício de trabalho para ti e um abraço da bombom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preparar o ruibarbo simples, nao me atrevi Bombom! La chegara a oportunidade!
      Ainda bem que gostaste desta voltinha pelo museu!
      E olha, de falar tanto com a Kinhas, a conversa estava em dia, so acrescentamos foi mais conversa!
      Beijinhos

      Excluir
  6. Super coloridas e essa massa perfeita! Gosto de ruibarbo aqui não há, mas não se pode ter tudo né? Com galettes dessas na companhia de amigos do coração, não precisamos de mais nada.
    Fiquei super curiosa com as miniaturas microscópicas, como serão feitas?
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perguntas bem, mas nao sabes a quem! A guia estava entretida com uns franceses e nao nos ligou nenhuma!
      E nao me lembro de ter lido como era executadas! La terei que ir ao Museu, perguntar!
      E quanto à companhia, um dia será a tua!
      Beijinhos

      Excluir
  7. Gostei imenso da galette, do modo como escreveste, do Museu,...adorei.
    Um beijinho

    ResponderExcluir
  8. Fantástica tu galette. A mí la combinación ruibarbo y fresas me encantan. Creo que van genial juntos :)
    besos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eso creo yo! Es que solo el ruibarbo, no me fascina!
      Un besito

      Excluir
  9. Bem... parece que andamos todos em modo ruibarbo!
    Eu consigo aqui em frente ao meu trabalho por um preço módico, à vista de outros. É uma gourmerceria com produtos biológicos e tudo o que peço eles arranjam. O ruibarbo só por encomenda.
    Usei num topping e no domingo vais ver novamente :-)
    Não minto se disser que ADORAVA visitar a Sibéria. É um dos locais do mundo que me fascina, mas por enquanto vou-me ficando pelas fotografias que vejo na net.
    Quanto à tua galette... nem tenho palavras de quão LINDA ficou e devia estar MARAVILHOSA. De certeza que aproveitaste bem a visita da Kinhas, que também conheço virtualmente. Nada como visitas de amigos para darmos atenção ao temos na cidade onde vivemos e andamos sempre a adiar, isto porque estamos sempre cá!!!
    Mena querida... esta galette vai ficar carinhosamente guardada, adorei!
    Muitos beijinhos
    Cláudia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha pois tens sorte de ter essa gourmerceria perto de ti! Eu ja vi o teu ruibarbo e ja que falas, eu espero pelo domingo!
      E quanto à Sibéria, eu não falo da verdadeira, Cláudia! Eu chamo Sibéria, mas na verdade é uma pequena aldeia perdida no meio dos Pirineus! Estou ca desconfiada, que o encantamente que tu tens é pela Sibéria de verdade!!!
      Se experimentares, conta!
      Beijinhos

      Excluir
  10. Eu adoro galettes rústicas!
    E esta massa com polenta deve ser perfeita. Com o ruibarbo e morango, a aconchegar o centro.
    Aposto que não sobrou nada, como sempre hehe.
    Um beijinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois a massa foi uma verdadeira surpresa Ginjinha!!!
      E claro, como sempre, nao sobrou nada!!!
      Beijinhos

      Excluir
  11. Olá Mena, adorei a tua galette, deve ter ficado uma maravilha! Nunca fiz nada com ruibarbo, mas sinto-me tentada a experimentar, vi há pouco à venda em Lisboa, na loja Miosótis, onde se podem adquirir vários produtos de cultura biológica, e que me deixou com uma vontade enorme de comprar montes de coisas :) Vou comprar aqui, no El Corte Inglês, para fazer uma iguaria que me deixou fascinada :) Olha achei deliciosa a tua descrição da visita da Kinhas e das vossas visitas!! Sabes uma coisa? Fiquei com vontade de conhecer Andorra ;)
    Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) Pois o ruibarbo a cada dia toma mais proporçao no mundo culinario! Qualquer dia ja se encontrar por todo o lado, ja verás!
      E olha, Andorra fica aqui ao lado!!! E terás muito mais que ver e olha, se vieres, avisa! Pode ser que tenha tempo para um cafe!
      Beijinhos

      Excluir
  12. Pois é minha querida, já diz o ditado que em casa de ferreiro o espeto é de pau e ainda bem que a nossa Kinhas aí esteve a visitar-te e assim pudeste ir ver estas maravilhas que nos mostras!!
    Quanto ás tuas galettes, minha amada, estão irresistíveis e altamente convidativas, só me hás-de explicar, se faz favor, o que é uma soqueira... que eu não sou loura, mas ás vezes sou um bocadinho inteligência pura...
    A massa deixou-me super curiosa e o aspecto geral, com tanta água na boca, que até levo a receita comigo maninha...
    Beijinhos grandes, sempre para os 3,
    Lia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens toda a razao! Se nao fosse por ela, nao teria conhecido o Museu! Mas isto tb porque tinha uns dias, porque senao ia ser complicado!
      O defeito de estarmos sempre a trabalhar é que depois nao conhecemos a terra que nos abriga!
      Agora ja sabes que a minha soqueira, é a tua pastry blender! Sem duvida um nome com mto mais glamour!!!
      E experimenta a massa, mesmo noutra tarte! Vais adorar!!!!
      Beijinhos triplicados!

      Excluir
  13. Mena,

    vamos por partes!
    antes que me esqueça, tens razão quando fui a Guimarães não fui pelo Porto, isso foi quando fui Aveiro, vê só o meu sentido de orientação, qualquer dia estou em Pas de la Casa a pensar que estou na Serra da Estrela.
    Não te preocupes porque se não estivesse estudado Turismo também não sabia metade do que sei sobre os museus da cidade, acho que acontece a uma boa parte das pessoas.
    Adoro matrioskas, acho-as tão fofas e é de uma alegria enorme abrir e tirar sempre mais uma, das poucas coisas que aprecio os russos, com todo o respeito...
    Oh a Catarina parece ser mesmo um doce de pessoa e só espero que tudo lhe corra bem nesta nova fase.
    Sortuda, ruibarbo, eu não encontro por aqui, a não ser que vá ao el corte inglês e o melhor é ligar para lá a confirmar.
    Pelo que tenho lido ruibarbo e morango são uma combinação perfeita e tu claro que aproveitaste logo a oportunidade para experimentar.
    Ficou mesmo boa e essa massa com a sêmola deve ser perfeita, vou anotar para fazer com outra fruta, talvez me vingue nas cerejas.
    Lindas mesmo Mena, e agora vou sonhar com ruibarbo claro está.

    Beijinhos para os três gulosos

    ResponderExcluir