quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Mais uma tarte!


Isto já começa a ser a rotina do blog.... cada quinta feira aparece qualquer coisinha para ocupar espaço e ir aumentando a lista de Aventuras!


Olhem uma Aventura é eu tentar fazer tudo aquilo que imagino num só dia! E agora que os dias são mais pequeninos, só te dás conta quando olhas para a janela e está escuro como o breu! Bem como o breu não porque há as luzes dos candeeiros, mas já é de noite e eu não gosto!


Eu que gosto tanto de solzinho, este agora esconde-se! Mas ainda assim podemos aproveitar porque tem brilhado e não há-de tardar a esconder-se, ou como o Tomás diz, a esconder-se nas nuvens, porque tem medo da neve!!


Os pequenos estão de férias e como tal, hoje o dia foi para ficar em casa! Enquanto um discute porque lhe falta um brinquedo, o outro anda de roda de mim para ver o que faço! O pior mesmo é quando se juntam os dois para querer ajudar.... E acabam por desajudar mais que ajudar e quando dou conta tenho massa por toda a casa.


O Tomás é o que normalmente menos se chega! Lá anda no mundo dele e só de vez em quando e arrastrado pela irmã é que espreita os andamentos.

A Maria não... Assim que me vê preparar alguma coisa, lá vem ela toda lampeira! 


Enquanto preparava a receita pergunta:

- Oh Mãeee que tás a fazer?
- Ando para aqui a inventar, filha!
- Ui Mãe... Isso não vai sair la muito bem!!!
Eu fiquei a olhar para ela e perguntei porquê.
- Então Mãe, tu é que dizes que não gostas de inventos!

Isto porque às vezes costumo dizer que não gosto dos inventos deles.... Para não dizer disparates! E vai daí a rapariga solta assim uma destas!!

Começo a ficar assustada!!!








Assustada fiquei eu quando vi que o tempo para a publicação no grupo Quinze Dias com... Lorraine Pascale, estava a acabar e eu sem nada para publicar.

Há uns tempos comprei um livro desta menina e ainda não tinha tido a oportunidade de experiementar nenhuma das receitas. Pois ao ver que esta quinzena era a Lorraine Pascale a escolhida, fui à prateleira e o livro andava sempre atrás de mim. E ainda assim deixo para quase o final... O tempo não chega para tudo e quando se pensa em fazer qualquer coisa, as minhas neuronas dizem que não! E como sou obediente, não as contrario!

Depois de mais uma vista de olhos ontem, escolhi a receita! Tinha tudo em casa.... Bem quase tudo! E quando voltei das compras, dei conta que não tinha comprado o bendito doce de morango! Mas ainda assim, não ficou por fazer!

Um pequeno precalço no final, quase deitou a perder todo o trabalhinho de uma manhã! As fotos não são as que eu queria, mas não podia deixar de publicar!


Antes de publicar fiquei a saber que esta tarte é mundialmente conhecida! E eu fartei-me de rir, porque nunca tinha ouvido falar e muito menos provar a dita! Fiquei assim muito pequenina, pela minha ignorância, mas é como eu costumo dizer, todos os dias aprendo algo novo e hoje foi o que é uma Bakewell Tart. E agora entendo porque os subditos de sua Majestade gostam tanto da hora do chá! Com tartes assim eu também começo a fazer o chá das cinco! (risos)





Tarte Bakewell
(receita retirado do livro Baking Made Easy, pág.113, de Lorraine Pascale)








Ingredientes para a massa:
- 115 gramas de manteiga sem sal amolecida
- 60 gramas de açúcar
- As sementes de uma vagem de baunilha
- Raspa de um limão
- 2 gemas de ovo
- 200 gramas de farinha sem fermento
- 1 pitada de sal
- 45 gramas de amêndoa moída

Execução:

Colocar a manteiga, o açúcar, a baunilha e a raspa de limão, numa taça e bater bem até estarem bem misturados. Juntar as gemas uma a uma, e adicionar a farinha, o sal e a amêndoa.

Envolver bem até obter uma mistura uniforme.

Formar uma bola e envolver em pelicula aderente e guardar no frigorifico duas horas. 


Ingredientes para a Frangipani:
- 200 gramas de manteiga amolecida
- 200 gramas de açúcar
- 2 ovos
- 1 colher de chá de essencia de amêndoa amarga ( na receita 2 tbsp de Amaretto)
- 40 gramas de farinha sem fermento
- 200 gramas de amêndoa moída
- 40 gramas de amêndoas fileteadas

Recheio:
- 180 gramas de doce de morango (usei de cerejas negras)


Execução:

Esticar a massa numa superficie enfarinhada até obtermos uma espessura de 2-3 mm. Colocar sobre uma forma de tarte de 23 cm, com o fundo amovível, de preferencia, e pressionar ligeiramente para a massa ficar bem aderida. (Usei o papel de forno para evitar untar e enfarinhar a forma).

Depois de forrar a forma, picar o fundo da tarte com um garfo, e levar durante 30 minutos ao frigorífico.


Pré aquecer o forno a 180ºC.

Retirar a forma do frigorífico e levar ao forno para cozer em branco. Ou seja, colocar um pedaço de papel vegetal sobre a tarte, cubrindo bem os bordes e no centro colocar alguns legumes secos. Levar ao forno e cozer a seco durante 15 minutos. Retirar do forno e retirar o papel, colocando novamente no forno, para terminar de cozer, não devendo os bordes ficarem muito tostados.

Retirar e reservar.


Colocar a manteiga e o açúcar numa taça e bater até obter uma mistura esponjosa e cremosa. Juntar os ovos, um a um, batendo bem entre cada adição. Juntar a essência de amêndoa amarga, a farinha e a amêndoa. Envolver bem para obter uma massa homógenea.


Colocar o doce de cerejas sobre o fundo da tarte, colocando de seguida o frangipani. Alisar a superficie com uma espátula e polvilhar com a amêndoa fileteada.

Levar ao forno durante 30-35 minutos, verificando aos 15 minutos se os bordes da tarte não começam a tostar. Se assim for, tapar com papel de alumínio e finalizar a cozedura.

Retirar quando estiver douradinha e inchada a frangipani, e deixar arrefecer.








Dentro do desastre monumental que aconteceu com esta tarte, o resultado é bom demais para ficar arrumado! 

Como digo na descrição da receita, deve deixar-se arrefecer.... bem eu deixei, mas nao o suficiente e ao desenformar, a tarte "tartelou-se" toda! Ou seja um desastre como digo, mas que ainda assim pode ser aproveitado e muito!!

Ah e isto faz-me lembrar que tenho que comprar uma forma de fundo amovível para que estes desastres não voltem a ter ocorrência.








Pelos vistos este tipo de tarte tem diferentes maneiras de ser feita! A mim esta pareceu-me relativamente fácil e no caso de não quererem fazer a massa, podem sempre usar uma massa quebrada de compra.

Mas então o resultado final já vai mudar, né? Por isso se quiserem experimentar uma explosão de sabor, experimentem com esta massinha!

Depois de ter feito umas quantas flaky's da Dorie, esta deu um bocadinho de guerra! Acho que o tempo de frio, é demasiado! Por isso podem reduzir para uma hora e prosseguir com o resto da receita. Assim evitarão que a massa se parta.








No livro a Lorraine aconselha a servir em fatias pequenas acompanhadas com um pouco de "single cream", ou simples acompanhada de um chá!

Nem chá nem cream, porque fiquei completamente desnorteada quando se partiu, que fui incapaz de me concentrar na apresentação.

Ainda assim atrevo-me a usar as mesmas palavras que a autora usa no livro para a definir..."Glorious"!


E acrescento, alguém que chá?

domingo, 26 de outubro de 2014

Voltam as saudades.....


Depois do post das bolachinhas de Outono, já deixei quase tudo preparado este post! Leia-se fazer a receita, tirar fotografias e dar-me conta que o fim de semana de publicação era este! O costume.... dar conta em cima da hora! Pois desta vez é mais uma quinzena da Dorie às Sextas, da qual tenho estado ausente depois que voltaram de férias e ja tinha saudadinhas, de fazer receitinhas dela.


Para esta quinzena foi escolhida uma receita com maçãs e que apesar dos meus temores, quando vi o termo flaky decidi fazer na mesma! Procurar uma tradução para este termo é impossível, mas na minha memória guardo as imagens de outras massas da mesma senhora, que foram toda uma surpresa.... isso sim, como muito medo!


O resultado final era o que eu imaginava e que me fez transportar no tempo.... Ao tempo que eu ia ao McDonald's, fora de horas, buscar uma das maravilhosas tartes de maçãs!!! Pronto eu admito, eu simplesmente adoro aqueles rectangulozinhos!!! E para minha sorte, ou azar, aqui a mesma cadeia de restaurantes, não tem essa pequena maravilha.... Cambada.... Se eles soubessem o que é bom!!


Enfim, agora ja descobri a maneira perfeita de matar as minhas saudades.... Há dias assim! Já preciso outra vez de férias. Preciso de voltar à minha terra e respirar o ar que me ajudou a crescer, e comer umas tartes de maçã não estaria nada mal.


E por falar nas maçãs, este blog, vai servir também, para ir escrevendo as pérolas que vão dizendo os meus filhos. Ao fim e ao cabo são parte integrante dele e se não fosse por eles não se chamaria assim. Quando comprei as maçãs que pedia a receita, comprei também umas vermelhinhas, que me piscaram o olho.








A catraia quando as viu no saco, ficou muito séria a olhar! E eu pensei prós meus botões, que coisa boa não estava a magicar! Meu dito, meu feito!

Maria - Mãe, compraste essas maçãs vermelhas, pa mim e pró mano?!
Mamã - Sim filha! Para vocês levarem pró lanche da escola, se quiserem!
Maria - Está bem, pode ser! ( Mas disse isto com um ar nao muito convencido, e depois dispara!)
Maria - Mãe!!! Eu não quero levar essas maçãs vermelhas para a escola! Num gosto!
Mamã - Aiii! Então são maçãs na mesma, filha!
Maria - E tu achas que eu quero, que me aconteça o mesmo que aconteceu à Branca de Neve?


Depois de ouvir isto, acho que se ouviu uma gargalhada descomunal em todo o prédio! A catraia olhava para mim sem entender e com ar de ofendido!

E só mesmo umas "empanadas" de Maçã são o motivo para esquecer tamanha ofensa! (risos).


Deixo-vos a receita tal qual nos foi proporcionada no grupo, deixando para o fim as alterações (pequeninas) que lhes fiz.


Empanada de Maçã
(Flaky apple turnovers, receita retirada do livro Baking, de Dorie Greenspan, p. 316)
(tradução do texto: Susana Figueiredo)





Ingredientes:
Para a massa:
- 250 gramas de nata azeda ( usei crème frâiche)
- 100 gramas de açúcar

- 500 gramas de farinha
- 1 colher de chá de sal
- 340 gramas de manteiga sem sal fria, cortada em pedaços pequenos.

Para o recheio:
- 1 colher de sopa de farinha
- 100 gramas de açúcar

- 1/4 colher de chá de canela em pó
- 4 maçãs Fuji ou Granny Smith, descascadas, descaroçadas e cortadas em pedaços pequenos (usei Granny Smith)
- 45 gramas de manteiga sem sal fria, cortada em pedaços pequenos

- 1 ovo grande, batido com 1 colher de sopa de água, para pincelar
- Açúcar, para polvilhar (usei mascavado escuro)


Para a massa:
Misturar a nata com o açúcar. Reservar. Misturar a farinha com o sal numa tigela grande e adicionar os pedaços de manteiga. Com uma picadora, duas facas ou com os dedos, cortar a manteiga juntamente com a farinha até parecer areia grossa, com cuidado para não trabalhar excessivamente a massa. Com um garfo, fazendo um movimento para cima e para baixo, misturar gentilmente a nata. A massa vai ficar muito mole.
Dividir a massa ao meio, colocando cada metade em película, usando-a para moldar em forma de rectângulo. Embrulhar a massa e refrigerá-la durante pelo menos uma hora ou até dois dias.


Para o recheio:
Misturar farinha, açúcar e canela nuuma tigela grande. Juntar as maçãs e envolver bem.
Preparação (c. 16 turnovers)
Pré-aquecer o forno a 190ºC. Posicionar as grades de modo a dividir o forno em terços. Forrar dois tabuleiros com papel vegetal ou tapetes de silicone. Esticar uma parte da massa até uma espessura de 3,2 mm e cortar círculos de 11,5 cm com um cortador grande ou com uma forma de tarteletes. Repetir com a 2ª parte da massa. Rende 7 a 8 rodelas por porção de massa Pode ainda fazer-se mais uns quantos com os restos da massa, novamente refrigerada e esticada, mas não terão a mesma leveza. Colocar 1-2 colheres de sopa da maçã e, por cima do recheio, colocar pequenos pedaços de manteiga. Molhar as extremidades da massa com um pouco de água, dobrar os turnovers ao meio e selar a massa, pressionando um garfo sobre os extremos. Furar a massa com o garfo para deixar sair o vapor e transferi-los para os tabuleiros. (Neste ponto, podem ser congelados durante 2 meses, bastando levá-los ao forno sem descongelar e acrescentar mais uns minutos ao tempo de cozedura).
Pincelar o topo com a mistura de ovo e polvilhá-los com uma pitada de açúcar. Leva ao forno durante 20 minutos, trocando os tabuleiros de baixo para cima e rodando-os a meio da cozedura (aos 10 minutos). Deverão ficar inchados, firmes ao toque e dourados. Deixar arrefecer à temperatura ambiente.





Notas da Mamã:
- Só fiz metade da receita! (um erro crasso diga-se de passagem, porque nem as migalhinhas ficarão!)
- Ainda fiz alguns individuais como indicava a receita, mas como o tempo não sobrava, optei por fazer uma "empanada" king size para agilizar. O procedimento é o mesmo, devendo separar a massa em dois círculos, perfeitos ou imperfeitos, e seguir o procedimento da receita original.
- A qualidade das maçãs usada na receita original é de suma importância e por isso não saltei este ingrediente, apesar de não gostar muito da sua acidez. Mas neste caso, é simplesmente perfeita.
- Juntei uma pisca de noz moscada ao recheio! Simplesmente porque adoro o contraste desta especiaria com a canela e nas maçãs o resultado é simples delicioso!
- E para um super devaneio, usei um caramelo salgado, ou como dizemos por aqui Caramel Salée, para dar um pouco mais de contraste de sabores.








A receita do caramelo salgado, não há! Porque foi um repente que tive e peguei nos ingredientes e fui fazendo! Açucar, manteiga, natas e flor de sal. Por essa blogosfera e mesmo aqui no blog, há receitas deste pequeno pecado de cor avelã.







Para que conste, estas "empanadas" não precisam de nenhum adereço! Eu é que sou hipermega gulosa, e como tal tenho sempre tendência a piorar!!

E não me pude resistir a misturar o caramelo e o geladinho de baunilha!! Mornas, são pedacinhos altamente viciantes e mesmo difíceis de parar de comer, mas assim....






"Oh Mãe posso levar esta "trate" para o lanche da escola, em vez das maçãs da Branca de Neve?"

Eu ainda lhe disse que sim, mas ao fim do dia nem uma migalha ficou!


Quantos dias durarão se as fizermos individuais?