domingo, 16 de outubro de 2016

Doces aromas

É preciso um novo desafio para o blog voltar a acender fogões e meter as mãos na massa.

Voltam-se a acender os fogões blogueiros para se juntarem naquele que é mais um World Bread Day. A Zorra é a responsável por toda esta movimentação naquele que é uma das preparações mais antigas do mundo.

Água, farinha, sal, fermentação e tempo de repouso, são os ingredientes que fazem maravilhas. Os tempos foram mudando e a esta base foram, acrescidos outros ingredientes e a diversidade de pão foi aumentando. 

Pessoalmente, prefiro o "pão" doce. Ou seja, as massas enriquecidas com ovos, açúcar, leite e manteiga. As possibilidades são imensas é tudo depende do gosto de cada um é da imaginação e criatividade. 

Apesar de não ter muito tempo para fazer estas coisas que tanto gosto, estava metida na minha cabeça uma junção de sabores que tinha visto num dos livros novos cá de casa. Sem querer, encontrei uma imagem no Pinterest que me agudizou o sentido e fez com que fosse à procura da receita. A receita não estava, mas o caos estava montado entre os meus neurónios. A massa foi feita por instinto e o recheio vem de um livro com aromas do Médio Oriente, mais precisamente o "Persiana" da Sabrina Ghayour.


Coroa de Pistacho com Recheio de Amêndoas e Água de Rosas
(Pistachio, Almond and Rose Wreath)







Ingredientes 

Para a massa:
-600 gramas de farinha de força 
- 3 ovos
- 60 gramas de açúcar mascavado claro
- 100 gramas de manteiga sem sal derretida
- 10 gramas de fermento de padeiro seco
- 10 gramas de sal
- 200 gramas de leite meio gordo morno
- 80 gramas de pasta de pistacho

Para o recheio:
- 250 gramas de amêndoa moída
-125 gramas de açúcar 
- 100 gramas de manteiga derretida
- 2 colheres de sopa de água de rosas
- 1 colher de sopa de extracto de laranja
- Raspa de 2 laranjas
- Raspa de 2 limões
- 1 1/2 de chá de canela em pó 
- 50 gramas de pistachos grosseiramente picados

Para decorar:
- 50 gramas de pistachos grosseiramente picados
- 50 gramas de cranberries grosseiramente picados 
- açúcar em pó q.b.
- calda de limão ( 1 colher de sopa de sumo de limão, 4 colheres de sopa de água, 1 colher de sopa de açúcar ou mais consoante o gosto)



Execução:

Para a massa:
Na taça da batedeira colocar a farinha, o açúcar, o sal, o fermento no lado oposto ao do sal, fazer um buraco ao centro e colocar os ovos ligeiramente batidos. Colocar o gancho de amassar na batedeira e  começar a amassar a uma velocidade baixa. Assim que os ingredientes comecem a formar uma pasta, juntar a manteiga derretida e o leite. Amassar a uma velocidade média durante 10 minutos até que a massa esteja elástica e se despegue da taça.

Transferir para um recipiente grande untado com azeite e cobrir com pelicula aderente. Deixar levedar num local morno, ao abrigo de variações de temperatura durante 1h30 ou até duplicar o volume. 

Amassar a massa depois de levedada e voltar a colocar no mesmo recipiente. Cobrir novamente com pelicula aderente e deixar repousar no frigorífico toda a noite.

Retirar a massa do frigorífico e deixar a temperatura ambiente 15 minutos e amassar de forma a tirar todo o ar. 

Preparar o recheio colocando todos os ingredientes numa taça e misturar até obter uma massa homogénea. Este recheio pode ser feito com antecedência e ser guardado no frigorífico até utilização.

Polvilhar uma superfície grande com um pouco de farinha e esticar a massa, até obter um rectângulo de 40x60. 

Com a ajuda de uma espátula, espalhar uniformemente o recheio sobre toda a superfície de massa. Enrolar pela parte maior pressionando ligeiramente. Cortar este cilindro de massa ao meio, com a ajuda de uma faca bem afiada, em todo o comprimento do mesmo. Entrelaçar as duas pontas entre si, torcendo ligeiramente. Unir as pontas e colocar sobre a bandeja do forno, já preparada com papel anti aderente. Deixar repousar num local morno durante 45 minutos.

Pré aquecer o forno a 200°. Colocar a coroa no forno e baixar a temperatura a 180°. Cozer durante 45 minutos aproximadamente. Se a coroa começar a ficar com um tom dourado muito rápido, tapar com papel de aluminio para evitar que se queime.

Enquanto está no forno, colocar os ingredientes da calda num tacho e deixar ferver durante uns 5 minutos. Não deve ficar muito espessa.

Retirar do forno, colocar sobre uma grelha e deixar arrefecer.

Pincelar com a calda de limão e polvilhar com os pistachos e os cranberries grosseiramente picados, seguido do açúcar em pó.






No livro que referi houve uma frase que me chamou a atenção e passo a citar: "We don´t really do dessert in the Middle East. We do tea..."

Entre esta frase há muitas outras que me têm apaixonada por esta cultura tão diferente da minha. Uma coisa é certa, o resultado deixa-me sempre surpreendida e animada por descobrir novos sabores.

E este não é excepção e é sem dúvida um bom motivo para tomar uma chávena de chá. Isso sim, sem pressas, porque a pressa é inimiga da perfeição e a prova está nesta fatia cortada ainda quente, numa correria contra o tempo para aproveitar uma restia de luz.

Não se pode andar de passeio pela Sibéria e esperar que as coisas apareçam feitas! (risos)

Alguém faz o chá?!


sábado, 15 de outubro de 2016

Summer time... The last one!




A receita da massa foi retirada do blog Everyday Dorie, a qual não necessita qualquer apresentação, pelo menos da minha parte. Porque é certo e sabido que este blog deve a sua existência à minha teimosia, leia-se também "gulodice", e ao grupo do Dorie às Sextas.

Nesses tempos pré-históricos do blog, qualquer coisa como cup's, tsp's, processador de alimentos, ou mesmo "pastry blender", eram palavras que não constavam de nenhum dos meus vocabulários. Por isso a teimosia e a curiosidade de querer saber mais e mais, neste mundo tão imenso. As Dories foram uma preciosa ajuda, outras blogger's também, livros e revistas em quantidades exageradas, e ainda assim creio que a minha curiosidade nunca estará satisfeita. Não sei se sou mais curiosa que teimosa... (risos)!

Gulosa sim que sou, mas tenho alturas e o Verão é uma delas. Gulosa de frutas como os pêssegos, as nectarinas, as ameixas e por aí adiante. Como tal há que aproveitar a sua presença e deliciar-me com eles tal qual ou transformá-los.

Pedi 4 caixinhas de mirtilos que de tão grandes que eram pareciam cerejas. Pensei fazer um brioche, mas numa conversa matutina com as minha Cotôrras a decisão foi galette! Simples não?

Como dizem por aí, a Galette é a irmã imperfeita de uma tarte perfeita. E quanto mais imperfeita melhor. O recheio pode ser sempre ao gosto de cada um, tendo em conta o tipo de fruta que se utilize, visto que algumas têm uma maior quantidade de água na sua composição. Este artigo da Bon Appétit explica muito sucintamente os erros que não se devem cometer. Só descobri depois de ter feito umas quantas e não troco uma só palavra.



Mini Galettes de Nectarinas e Mirtilos











Ingredientes:

Para a massa:
- 250 gramas de farinha sem fermento
- 60 gramas de amêndoa moída
- 2 colheres de sopa de açúcar mascavado escuro
- 1/2 tsp de sal fino
- 170 gramas de manteiga sem sal, cortada em cubos e muito fria (colocar no congelador 30 min antes de começar a preparação)
- 90 ml de água muito fria

Para o recheio:
- 125 gramas de mirtilos
- 3 nectarinas maduras, mas firmes
- 2 colher de sopa de açúcar mascavado escuro
- Sumo de meio limão
- Raspa de meio limão
- 1 colher de chá de amido de milho (Maizena)
- 4 colheres de sopa de amêndoa moída ( 1 por cada base de tarte)


Execução:

Numa taça colocar a farinha, a amêndoa, o sal e o açúcar. Misturar todos os ingredientes. Seguidamente juntar a manteiga bem fria e envolver na farinha e com a ajuda do "pastry blender" integrar a manteiga na farinha de modo a obter uma textura arenosa, em que os pedaços de manteiga sejam do tamanho de uma ervilha.

De seguida juntar metade da água e envolver nesta mistura. Ir adicionando aos poucos a restante água até que a massa se despegue da taça.








Formar uma bola com a mesma e dividir a massa em 4 partes, com aproximadamente 150 gramas cada uma. Esticar cada uma das porções numa superfície polvilhada com farinha e sémola de trigo, sendo esta última em maior quantidade. Obter um círculo de 20 cm de diametro aproximadamente. Envolver em película aderente e deixar repousar no frigorífico como mínimo duas horas ou uma hora no congelador.






Dez minutos antes de proceder à montagem da galette preparar as frutas. Colocar as nectarinas cortadas em fatias finas numa taça e os mirtilos. Adicionar o açúcar, o sumo e a raspa de limão e a maizena, envolvendo bem. Deixar repousar.

Pré aquecer o forno a 200°C.

Retirar os discos de massa do frígorifico, colocar sobre a placa do forno devidamente forrada com papel e espalhar no centro amêndoa moída deixando 2 cm de margem do bordo do disco de massa.
Colocar as fatias de pessêgo em círculo e de seguida os mirtilos. Rebater os bordos da massa sobre os pêssegos pressionando ligeiramente. Repartir o liquído de maceração sobre as tartes. 

Pincelar os bordos da massa com ovo batido e polvilhar com açúcar em grão.
Levar ao forno, baixando a temperatura para 180°, deixando cozer até a massa estar douradinha. Deixar arrefecer sobre uma grelha. Servir morna ou fria. 







É daquelas coisas que não precisa nenhum extra, mas quando se come morna, uma bolinha de gelado de baunilha ou uma colherada de crème frâiche espessa, é sempre como uma cereja no topo de um bolo.


P.S - É excusado dizer que já não estamos na altura destas frutas que tanto me agradam, mas a receita, não sei porquê, ficou guardada em rascunho, e era uma pena muito grande não poder compartir. Assim fica a jeito de despedida, ou para aqueles que já têm saudades do Verão.