sábado, 31 de maio de 2014

Reinventamos!


Este post só aparece agora, porque tem que aparecer! E como aquilo que tem que ser, tem muita força, aqui estou eu!

E aproveito já para dizer, que nao sei quando será a proxima publicaçao! Na pior das hipóteses, no dia 15 de Junho, dia de round-up!

A de hoje é especial!!! E com tanta coisa especial já passou um ano deste guest post, que eu fazia para a minha Cozinheira! E como a tenho como aquelas pessoas boas que te entram na vida, sem pedir licença, esta é a única maneira que tenho de lhe desejar um Feliz Aniversário!!

Noutro dia dei por mim a rir-me por causa dela! Sim, porque a nossa história começou com um descascador de alhos! Vejam só! Óbvio de que depois disso, as conversas foram outras! As coisas de familia, as tristezas e as alegras, enfim... Um pouco de tudo e nada de nada!

A receita é quase a mesma do ano passado! Mas agora quando olho para cerejas lembro-me de ti, que queres que te faça?! Mas apetecia-me cerejas, apetecia-me cheesecake e apetecia-me que fosse simples! Mais do que isto impossível! Quando os fiz, foi a pensar em tudo isto e olha, corro o risco de ser repetitiva, mas o que me importa é que o resultado é bom!

E usando uma música que tu me fizeste ouvir por primeira vez, há um ano atrás....

Pois se tem que ser, que seja Agora!!!


Mini Cheesecakes de Limão e Cerejas
(Receita adaptada do livro grand Livre Marabout de La Patissêrie Facile, pag.146)







Se o ano passado usei uma receita da Nigella que não necessitava forno, desta vez mudei as coisas! Fui ao meu livro maravilha (risos), o tal das 600 receitas, e abri o capítulo dos cheesecakes. O original é tão somente um cheesecake de limão com cobertura de alperce! Mas eu queria cerejas! Ora usando quase a mesma cobertura da receita da Nigella e a base de um cheesecake normalíssimo, surgiram estas miniaturas! Mas não se deixem levar pelo tamanho diminuto, por em sabor é de todo um grande prazer!


Ingredientes:

Para a base:
- 100 gramas de Spéculoos
- 25 gramas de manteiga

Para o cheesecake:
- 1 ovo
- 250 gramas de queijo creme, tipo Philadelphia
- 1 colher de chá de raspa de limão
- 55 gramas de açúcar

Para a calda de cerejas:
- 150 gramas de cerejas em calda, escorridas
- 10 colheres de sopa de calda
- 2 colheres de sopa de açúcar 
- 1 colher de sopa de kirsch (opcional)
- 1 colher de chá de farinha Maizena





Execução:

Para a calda colocamos todos os ingredientes num tacho, à excepção da farinha Maizena. Deixamos ferver durante 5 minutos a lume brando. Retiramos um pouco de calda e desfazemos a farinha Maizena. Juntamos esta mistura no tacho e mexemos bem. Deixamos ferver mexendo sempre até que engrosse. Retiramos e deixamos arrefecer completamente.


Forramos formas de muffins com forminhas de papel e reservamos.

Trituramos as bolachas e juntamos a manteiga derretida. Misturamos bem de modo a obter uma areia. Distribuimos esta mistura pelas forminhas, mais ou menos uma colher de sopa, e pressionamos ligeiramente. Colocamos no frigorifico durante 15 minutos.

Pré aquecer o forno a 150ºC.

Numa taça colocamos o queijo creme, o açucar e a raspa de limão. Batemos como a batedeira até obtermos uma mistura lisa e homogénea. Juntamos o ovo, e envolvemos bem na mistura.

Colocamos nas formas e levamos ao forno durante 20 minutos. O centro dos cheesecakes, deve estar mole.

Retiramos do forno e deixamos arrefecer. Colocamos a calda de cerejas e levamos ao frigorifico, como mínimo 2 horas antes de servir.






Ora então.... Se uma fatia de cheesecake é um pecado, assim em miniatura, ainda é mais!
O contraste do cheesecake de limão com a cereja, é simplesmente perfeito! E o toque da canela e das especiarias presentes nas Speculoos dá-lhe um toque requintado!






E fica muito mais requintado, quando tenho a ajuda da minha pequena! Porque assim que vê o cenário a compôr-se tem que dizer sempre que quer ajudar! Até se põe de pose e me diz como tenho que fazer! Eu como obediente faço tudo o que me diz! (risos)





Estas coisas nunca tinham que se desmanchar... Mas depois penso: para que as fizeste? So para a foto? (risos)
Óbvio que não, porque aqui em casa as migalhas não ficam para contar história!


Sendo este um post especial como ja referi anteriormente, dei por mim a ler o post de há um ano atrás, e até fiquei com uma lágrimazita no olho! É que no meio de tanta coisa má, estas são as coisas boas que me fazem sorrir! E se me torno repetitiva por mais um cheesecake de cereja, vou faze-lo outra vez com uma citação que adoro! 

Porque os amigos são como as estrelas, podes não vê-los mas sabes que estão sempre lá!

"As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!" Saint Exupery - O Principezinho.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Let's brunch!!


Esta semana foi um bocadinho estranha! Mudaram-me o dia de folga para 2ª feira, porque pelos lados de França, hoje é feriado! E como a meio da semana surgiu um problema familiar, hoje voltei a estar por casa!

Mas desta vez sem os catraios! Chegou o dia de mais uma viagem de fim de curso e aí foram eles! Ao contrário do que passou o ano passado que estiveram 3 dias fora de casa, desta vez serão só 2 e amanhã regressam ao ninho!

Pronto já sei que tudo são etapas, mas este silêncio é esquisito! Aproveitando esse facto trago uma sugestão para um "brunch"! Estas palavras novas a mim fazem-me confusão porque não sei muito bem como as definir! Ou seja, será um "breakfast" misturado com um "lunch".... Daquelas coisas que se fazem em domingos preguiçosos, não é?

Esta receita aparece por dois motivos. Em primeiro o convite da Manuela, do blog Cravo e Canela - Uma Cozinha no Brasil que comemora mais um bloganiversário e como tal nos pediu que nos juntássemos à festa! Manuela, põe lá a rede que eu estou cansada!

O segundo motivo foi a criação de um grupo no Facebook, pela Susaninha, com o nome de Quinze dias com... A ideia é apresentar a cada quinzena um chef de cozinha conhecido e para abrir as hostilidades, a Susana escolheu um dos britânicos mais revolucionários da cozinha, Mr. Jamie Oliver. Como me agradou bastante o conceito e gosto bastante deste senhor, juntei as duas coisas!

Normalmente não costumo misturar desafios e afins, mas desta vez e dada a falta de tempo teve que ser! A receita é grande e como tal pode dividir para que não falte! De uma próxima vez, e se o tempo o permitir, isto não acontecerá!

Há lá coisa mais britânica que "scones"? Há, de certeza que sim, mas se os juntamos a um "brunch" tanto melhor!

Pois a receita é do Jamie e é super simples! Achei imensa piada à maneira como a descrevia e não hesitei em por as mãos na massa, já que o Jamie diz o seguinte, e deixo a citação tal qual, porque ao fazer a tradução não soa da mesma maneira:


"Scones are wonderfully British, delicious, and so simple even a five-year-old could make them. Get baking!"


Ora então com dois catraios de cinco anos em casa, isto é muito mais fácil!






A primeira vez que comi scones foi no liceu, numa festa que fizeram as professoras de Inglês, naquele então... Ou seja, ha mais de 20 anos!!! Estava mais do que na hora de repetir e trazer sabores da memória, mais coisa menos coisa! Ora como diz o Jamie, há que acompanhar os ditos com um bom doce! E cá por casa havia um dos melhores que fiz, morango e ruibarbo! A junção com a nata, neste caso, crème frâiche, é simplesmente deliciosa! A receita do doce é da Lia, do Lemon&Vainila, e desde que a vi, sabia que a tinha que fazer!


Scones com Doce de Morango e Ruibarbo
Receita dos "Crumbliest Scones do Livro Jamie's Great Britain, retirada daqui.

Para o doce de Morango e Ruibarbo

Ingredientes:

230g ruibarbo, cortado ás rodelas
- 450g morangos, arranjados e cortados em quartos
- 230g de açucar mascavado claro
- 1 pitada de sal
- 2 colheres chá de sumo de limão
- 1 colher chá de raspa de limão

Preparação:

Num tacho colocamos o ruibarbo, com os morangos e o açucar de deixamos macerar durante 10 minutos.

Aquecemos em lume médio e quando levantar fervura, adicionamos o sal, o sumo e a raspa de limão. Reduzimos o lume e deixamos cozer o doce durante 15 a 20 minutos até que tenha reduzido 1/3 do volume e engrossado ligeiramente.

Pode parecer um pouco liquída, mas para verificarmos se tem o ponto quando passarmos o dedo na parte de trás da colher de pau e este deixar uma linha sem se voltar a unir.

Com a ajuda de uma escumadeira retirar qualquer vestígio de espuma que esteja à superfície e transferir para um frasco para acelerar o arrefecimento do doce e parar o processo de cozedura.

Quando estiver completamente frio, guardar no frigorífico.







Para os scones

Ingredientes:

-150 gramas de passas, sultanas, alperces finamente picados
- sumo de laranja para hidratar
- 150 gramas de manteiga fria sem sal, cortada em pedaços
- 500 gramas de farinha com fermento + para polvilhar a bancada
- 2 colher de chá de fermento em pó
- 2 colheres de chá de açucar
- 1 pitada de sal
- 2 ovos tamanho L
- 4 colheres de sopa de leita + leite para pincelar

Colocar os frutos secos numa taça e cobrir com o sumo de laranja. O melhor é deixar durante um par de horas antes de realizar a receita.

Pré aquecer o forno a 200ºC. 

Colocar a farinha, a manteiga, o fermento, o açucar e uma boa pitada de sal numa taça. Com as pontas dos dedos trabalhar a massa de maneira a obter uma farofa. Quanto mais rápido for este processo e menos se trabalhar a massa, mas crocantes serão os scones.

Fazer um buraco no meio e colocar os ovos, o leite e a fruta, escorrida, previamente demolhada. Envolver bem na massa e se necessário adicionar um pouco mais de leite. A massa pode parecer quebradiça, mas é sinal que está pronta.

Polvilhar com um pouco de farinha, tapar a taça e deixar repousar 15 minutos no frigorífico.


Estender a massa numa superfície polvilhada com farinha de maneira a obtermos um rectângulo com 3 cm de espessura. usar um cortador de 6cm ou um copo.

Colocar os discos de massa, com a parte lisa para cima, num tabuleiro forrado com papel vegetal. Unir a massa sobrante e voltar a fazer o mesmo processo.

Pincelar com o leite e levar ao forno durante 15 minutos ou até que estejam dourados.

Deixar arrefecer e servir mornos, acompanhados de doce e nata.






A receita diz que podemos usar nata batida! Mas para quê sujar a batedeira, se o crème frâiche espesso, já tem a textura que precisamos? Gulodices à parte, são de facto os melhores scones que já fiz! O toque crocante, a mistura das frutas e a doçura q.b do doce, fazem deles um belo acompanhante para um "brunch" neste caso, ou para um lanche!







O Jamie diz que podem ser congelados e assim ter sempre provisões no congelador. Eu não congelei e andei aqui com scones durante uns dias! Já sei que se devem comer mornos, mas nas minhas manhãs foram torrados e ainda assim, não perderam as suas qualidades!







Usando outra vez palavras do Jamie:

"There's a magic hour just after they come out of the oven when they are so heavenly I just can't imagine why anyone would prefer store-bought scones. Just remember that the less you touch the dough, the shorter and crumblier your scones will be."


Não preciso de dizer mais nada, pois não??

terça-feira, 27 de maio de 2014

Bundt Cake de Baileys


Ora então as duas malucas da BundtMania, escolheram como tema de mais uma edição, Bebidas e Cocktails!

Bem podia ser pior, né? (risos)

A cada edição é mais complicado escolher um tema! E não pensem que depois não andamos também com a cabeça às voltas para o fazer!


Assim que o tema foi escolhido, eu sabia o que queria! E desenganem-se todos aqueles que pensam que tem que ter alguma bebida alcoolica presente. Pode ser uma limonada ou outra bebida que seja do vosso agrado! A imaginação é o vosso limite!!


Quando nos decidimos por este tema, eu ja tinha o que queria na minha cabeça! No livro da Chrysta tem uns quantos Bundts que me poderiam servir, mas desta vez não usei nenhuma receita do livro.


Há uns tempos atrás cruzei-me com este Chocolate Baileys Mud Cake, num blog que adoro e que sigo desde que criei este. Adoro a simplicidade da Esmeralda e as fotografias. Deixam-me sempre parada! Uma menina de mão cheia que me encheu a vista com o dito! Ora vendo bem a receita, havia algo que me escapava! Mas nada que nao se resolvesse! Decidi arriscar e alterar a receita do Bundt Cake de Chocolate. E quando provei a primeira fatia, foi a confirmação do que queria!







Pois é de Baileys o bundt que vos trago! Deve ser das bebidas que mais gosto! Eu que nem gosto nada de whisky, num copo de baileys com gelo, até me esqueço que o dito está presente! Mas como é docinho, eu não me faço de rogada! E agora descobri que já há umas quantas variantes, mas eu continuo fiel ao original. O único a que vou dar uma oportunidade, é ao novo Baileys Chocolate! Sim, ha um Baileys Chocolate e por esse motivo, decidi que o Bundt tinha que ter chocolate! Assim ja posso imaginar, o sabor!! (risos)



Bundt Cake de Baileys e Chocolate





Ingredientes:
- 230 gramas de manteiga sem sal
- 4 colheres de sopa de cacau em pó sem açúcar
- 180 ml de Baileys
- 300 gramas de açúcar mascavado escuro
- 200 gramas de crème frâiche espessa 
- 1 colher de sopa de essência de baunilha
- 3 ovos M
- 250 gramas de farinha de trigo
- 1 colher de chá de bicarbonato de sódio (anula a acidez da crème frâiche e ajuda a crescer o bundt)
- 1/2 colher de chá de sal

Para a cobertura:
- 200 gramas de chocolate a 60% de cacau
- 250 ml de natas
- pérolas douradas para decorar


Execução:

Pré aquecer o forno a 180ºC.

Num tacho colocar a manteiga, o cacau e o baileys. Deixar que derreta a manteiga e retirar. Deixar arrefecer ligeiramente.

Numa taça colocar a farinha, o sal, e o bicarbonato, e reservar.

Bater os ovos com o açúcar e com a essência de baunilha a velocidade média até que duplique de volume. Juntar a mistura do cacau, em fio e envolver bem na mistura dos ovos.

Juntar a crème frâiche, alternando com a farinha. Envolver bem na massa.

Untar a forma de bundt e encher com a massa.

Levar ao forno entre 40-50 minutos. Nota-se que o Bundt está cozido quando começa a despegar-se dos bordes da forma.

Retirar depois de cozido e deixar arrefecer antes de desenformar, 20 minutos. Desenformar e colocar sobre uma grelha e colocar dentro de um saco de plastico para arrefecer totalmente. (o meu ficou toda a noite).

Para a cobertura colocar as natas num tacho com o finamente picado. Assim que se estiver derretido, retirar e envolver bem, até obter uma mistura homogénea.

Colocar numa taça e cobrir com película aderente e colocar no frigorífico durante 40 minutos.
Passado este tempo, retirar, e bater com a batedeira, até obtermos uma mistura muito parecida a uma mousse. Colocar esta mousse, num saco de pasteleiro munido de um bico estrela, no meu caso é o 1M da Wilton.

Por o Bundt depois de arrefecido sobre um prato de servir e decorar a gosto.






Normalmente nao gosto de decorar os bundts! Porque depois ficam muito menos saudáveis né? Mas este tinha que ser! Enquanto fazia as fotos e preparava a fatia para o desfile, tinha a minha princesinha atrás de mim a averiguar se fazia as coisas bem! Quando estavam as coisas preparadas, salta e diz: " Mãe essa fatia é para mim!"






Serve este pequeno apontamento, para dizer que todo o teor alcoólico do Baileys se perde quando o juntamos com a manteiga. A senhorita, comeu a sua fatia, e quando já só tinha migalhas no prato, dizia: "Não quero mais!"






A cobertura dá ao bundt um toque de classe e por isso a fiz! Ou não fosse um Bundt para esta edição! A vizinha agradece e eu também, que fiquei com muito menos para comer! Assim posso sempre ir experimentando outras receitas!

Aproveito para dizer que a cobertura é opcional! Porque simples, é fantastico! Eu experimentei com e sem cobertura! E devo dizer que sem cobertura, juntei-lhe uns morangos que andavam aqui perdidos!

E mais não digo.... Ou melhor digo, que esperamos por vocês nesta Edição da BundtMania!!!


sábado, 24 de maio de 2014

Rugelach



Não fossem os Rugelach, do Dorie às Sextas, hoje não haveria post! E estive a pontinho de não o escrever tal é o cansaço que de mim se assoma!

Mas depois do trabalho de os fazer, de resitir à tentação de não os comer todos antes de chegarem às fotos, e ainda por cima ter que os fotografar em péssimas condições de luminosidade, tinham que passar pelo blog.

Ultimanente ando muito preguiçosa! Tanto que esta receita da Dorie, li-a pelo canto do olho e esqueci-me de colocar a canela e o açucar conforme diz a receita! O açucar não dei pela falta dele, mas a canela, se calhar ajudaria a realçar sabores!

Seja como seja, foram super rápidos de fazer e aqui entre nós, desapareceram ainda mais rápidos! O tamanho reduzido, permite que sejam apreciados de uma só vez, o que torna dificil resitir.

Dado à minha preguiça, uso a receita na integra da Dorie e traduzida pela Susana, dizendo apenas que não fiz a massa num processador de alimentos, e usando sim, a minha soqueira para a realização da mesma.

Tirando isto, será certamente, para repetir com o mesmo recheio ou outros!


Rugelach
Receita do livro Baking de Dorie Greenspan






Para a massa
115 gramas de queijo creme frio, cortado em 4 pedaços
115 gramas de manteiga sem sal fria, cortada em quatro pedaços
1 chávena de farinha
1/4 colher de chá de sal

Para o recheio
2/3 de chávena de compota de framboesa ou de alperce ou de laranja (usei alperce)
2 colheres de sopa de açúcar
1/2 colher de chá de canela em pó
1/4 chávena de nozes em pedaços (ou pecans ou amêndoas)
1/4 chávena de passas húmidas (currants)
115 gramas de chocolate amargo, picado finamente, ou 2/3 de chávena de pepitas de chocolate

Para a cobertura
1 ovo grande
1 colher de chá de água fria
2 colheres de sopa de açúcar

Para a massa
Deixar o queijo creme e a manteiga a descansar no balcão durante dez minutos, de modo a amolecerem ligeiramente mas a continuarem frios. Colocar a farinha e o sal num processador de alimentos, deitar os pedaços do queijo e da manteiga e pulsar entre 6 e 10 vezes. Continuar a misturar os ingredientes, raspando os lados da tigela frequentemente, até a massa ficar misturada em pedaços grandes, mas não deixando formar uma bola. Deitar a massa numa tigela, formar uma bola e dividir ao meio. Dar a forma de um disco a cada metade, embrulhar em papel filme e refrigerar durante duas horas ou até um dia (ou congelar durante 2 meses).

Para o recheio
Aquecer a compota num tacho em lume brando (ou no micro-ondas) até ficar líquido. Misturar o açúcar e a canela numa tigela. Forrar dois tabuleiros com papel vegetal ou tapetes de silicone (a Dorie recomenda os segundos).

Para formar os bolos
Tirar um dos discos de massa do frio. Se estiver demasiado firme, deixar no balcão durante dez minutos ou bater a massa algumas vezes com o rolo. Numa superfície polvilhada de farinha, esticar a massa até formar um círculo entre 28-30 centímetros. Pincelar a massa com uma camada fina de doce, polvilhando o círculo com metade da mistura de açúcar e canela. Cobrir com metade das nozes, metade das passas e metade do chocolate.




Cobrir a superfície com papel de cera e pressionar suavemente o recheio sobre a massa. Retirar o papel e guardá-lo para a segunda leva de bolos. Com um cortador de pizza ou uma faca afiada, cortar a massa em 16 triângulos compridos e com a base estreita ( a maneira mais fácil é cortar a massa em quartos e cada quarto em triângulos. Começando na base de cada triângulo, enrolar a massa de modo a que cada bolo pareça um pequeno crescente (como um croissant). 






Colocar os rolos num tabuleiro, garantindo que as pontas ficam debaixo do bolo, e refrigerar pelo menos durante 30 minutos antes de levar ao forno. Repetir o processo para o segundo disco de massa. Os bolos podem ser refrigerados durante a noite ou congelados até dois meses, não devendo descongelar-se antes de levar ao forno mas sim dar mais alguns minutos de cozedura. Pré-aquecer o forno a 175 graus.

Para a cobertura
Misturar o ovo com a água e pincelar cada bolo com a mistura. Polvilhar com açúcar.

Cozer os bolos entre 20 e 25 minutos, trocando os tabuleiros de baixo para cima a meio da cozedura (caso se use dois tabuleiros). Os bolos deverão estar inchados e dourados. Transferir para uma rede e deixar arrefecer até estarem mornos ou à temperatura ambiente.






E sem muito mais a acrescentar, o mais difícil destes bolinhos, é mesmo resistir!

Não acreditam? Pois experimentem!

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Vai uma cookie??


Mais uma vez tenho que falar do bendito tempo que não dá tréguas! E eu tenho tentado aproveitar ao maximo, o tempo que tenho nos dias de folga, mas não tem sido fácil! Apesar de esta semana ser atípica quanto a publicaçoes, porque vao aparecer mais do que apareceram em todo o bendito mês, nas próximas semanas, já o mesmo não se verifica!


A mudança do trabalho foi radical! As horas que podia aproveitar para fotografar já não estão e para fazer as coisas mal, mais vale estar sentadinha no sofá! Sim porque depois fico chateada porque só faço disparates! E como ando cansada, juntar as duas coisas, torna-me numa pessoa insuportável! Mais do que aquilo que normalmente já sou! (risos)


E se há alguém que demonstra que o tempo passa a correr, são os gémeos! Um destes dias, o Tomás dizia: "Oh Mãe tenho um dente a abanar!"

Eu pensei prós meus botões, que seria impressão dele e tive que confirmar! E realmente o catraio tinha razão!

Qual não é o meu espanto, quando passado uma semana, chego ao ATL, e tenho o rapaz com menos um dentinho! Lá vem ele de tacha arreganhada e com um buraquinho!

Até me emocionei! Sim, porque pensando bem, dentro de nada, já têm seis anitos! Estão a ver como passa rápido o tempo? Ainda outro dia me queixava das maleitas que chegam quando começam a nascer os primeiros dentes! Bem aqui, acho que nunca o comentem, porque quando comecei o blog eles ja tinham os dentes todos! 


E para comer chocolatinhos é preciso ter dentinhos! Aqueles snacks a que nao conseguimos resistir, cá por casa não são muito costume! E se há algum perdido na gaveta, dura eternidades! O único que costuma perder-se é o Bounty, que é um dos meus preferidos! Os pequenos não ligam muito e ainda bem, que assim não se habituam! Mas hoje ficaram todos contentes quando o Lion se transformou em cookies!






O Desafio deste mês, do Vamos Fazer Bolachas, do Blog Cravo e Canela - Uma Cozinha no Brasil, são as cookies! E desta feita fiz duas receitas! Umas de chocolate, que são um verdadeiro pecado e estas ultimas, que me deram a oportunidade de serem fotografadas! As outras também, mas não como tinham que ser! E quando tive a oportunidade de o fazer, a lata tinha desaparecido silenciosamente! 


Aproveitei o dia de hoje por casa e metemos a mão na massa! Bem eu meti as mãos na massa, porque os gémeos preferiram o "Frozen - O Reino do Gelo"! Só menos, quando chegou à altura de provar as ditas! E depois tivemos que voltar a ver o filme, que chatice!


Cookies de Caramelo e Chocolate
Receita retirada do Grand Livre de Pâtisserie Facile, pág. 274




Ingredientes:

- 125 gramas de manteiga amolecida
- 110 gramas de açúcar
- 1 ovo
- 150 gramas de farinha
- 2 colheres de sopa de cacau em pó
- 120 gramas de Lion cortado finamente

Execução:

Pré aquecer o forno a 180ºC. Forrar o tabuleiro do forno com papel vegetal e reservar.

Numa taça colocar a manteiga, o açúcar e o ovo. Bater tudo com a batedeira durante dois minutos.
Juntar a farinha, o cacau e o Lion, envolvendo bem.

Com uma colher de sopa, colocar porçoes de massa no tabuleiro. Levar ao forno, durante 10-15 minutos.

Retirar e deixar arrefecer sobre o tabuleiro durante uns minutos. Transferir para uma grelha e deixar arrefecer completamente.

Nota: A cozedura das cookies é muito importante, dependendo da textura que se pretenda. Se queremos uma cookie mais "chewy" devemos deixar menos tempo e se quisermos uma textura mais crocante, devemos deixar o tempo aconselhado, mas não deixando demasiado sobre o risco de ficarem extremamente duras. Para saber se as cookies estão no ponto, estas devem estar moles no centro e ao ser tocadas a massa já não deve pegar nos dedos.






Tinha visto a receita e tinha comprado as ditas barras de Lion, para a poder fazer! Mas descobri, estas bolitas do mesmo! Foi só abrir o pacote para as usar para as fotografias, que em menos de nada, tinham desaparecido!






Eu acho as cookies umas bolachinhas muito ingratas!! Por mais voltas que lhes dê, nunca ficam bonitinhas! Ficam sempre assim com um ar rústico! Seja como for, na hora do lanche e de as molhar num copinho de leite, a beleza não conta!!!






Conta sim, o sabor! E estas são ricas em sabor! O melhor de tudo é encontrar pequenos pedaços de waffer e pequenos apontamentos de caramelo!

O chocolate, bem, esse funde-se com os outros!!!

Melhor mesmo, é molharem no leitinho!




terça-feira, 20 de maio de 2014

Qualquer coisa bárbaro!!


Olho para o calendário e vejo que passou um mês desde que voltei a trocar de ocupação, trabalho, emprego, aquilo que lhe queiram chamar!

Mas desta vez, com uns dias de repouso antes de começar mais uma nova etapa! E foi nesses dias que a Sibéria, acolheu de braços abertos, aquela que é uma das minhas amigas virtuais. Ou melhor, agora já não é, e mesmo antes, nunca a considerei com tal, porque a sua presença constante na minha vida era tal, que o dia em que nos conhecemos, face to face, foi como as nossas trocas de mensagens.

Pois, falo da Kinhas, quem haveria de ser! Dentro das que tenho é a que está geograficamente mais perto! Como se mil kilometros fossem pouca coisa.... Mas ainda assim e comparada com as outras, é a mais cercana!

Ora visto o não visto, esses dias cá por casa foram um corropio! Os catraios animadissimos porque havia gente nova e eu ainda mais, porque as conversas eram diferentes! E entre cozinhados, sim porque havia que manter o ritual das refeições, e os passeios aquilo pelo sítio, o tempo que estiveram passou a correr!

Foi preciso vir a rapariga, para eu conhecer o Museu da Miniatura! Único no mundo e instalado no lado norte de Andorra! Olhem, mais vale tarde que nunca, e além do mais eu não costumo ficar de férias aqui né? 

Este Museu conta com uma coleção permanente privada do ucraniano Nicolai Siadristy, considerado por muitos o melhor microminiatura do mundo. O museu também apresenta outras coleções sobre a microminiatura.

As exposições sobre microminiaturas contêm fantásticas obras elaboradas à mão a partir de nobres materiais e materiais comuns, como por exemplo a obra de representação dos reis do oriente elaborada sobre um grão de arroz, a representação de uma taberna sobre um grão de sal ou a obra que faz passar uma fila de camelos no olho de uma agulha de coser. A maior parte das obras apenas pode ser observada através de um microscópio!






As fotografias não sei se eram permitidas, mas ainda assim roubei a máquina da Kinhas e fui tirando!!! Adorei as matrioskas! São de um requinte que não podem imaginar! Já para não falar nas micro miniaturas. Eu fiquei boquiaberta, porque jamais pensei que tal fosse possível. Ainda tenho muito que ver e aprender neste mundo.

Como dizia antes foi uma roda viva, o tempo pregou-nos alguma que outra partida, mas não nos impediu que se fizessem umas voltinhas! E ao fim do passeio, por a cozinha estava por nossa conta! Como é óbvio não se experimentaram coisas novas! Eu sim, porque fizemos raclette! Mas não foi coisa que me convencesse e eu continuo a nao ser grande amante de queijos!

Saiu um bundt de Chocolate e uma éspecie de Challah, e para me deixar mal, o raio do Bundt colou na forma, ou pelo menos um pouquinho! O que nao impediu que metade dele, fizesse a viagem de regresso aos Alpes, para saciar a fome dos 2 viajantes!!


Esta minha afinidade com a Kinhas surgiu logo no início deste blog. Se calhar a coincidência de estarmos as duas longe de casa, fez com que nos torná-se-mos mais próximas! E do lado dos Alpes chegaram coisinhas boas! Oh se chegaram! E uma delas chama-se ruibarbo!! Enquanto esteve connosco não o pude preparar e só uns dias depois é que o pude fazer, colocando mãos a mais de uma receita. A que hoje vos deixo é um clássico! De juntar o morango ao ruibarbo, para que a doçura do morango, atenue a acidez desta raíz barbára! Sim, porque a única coisa que se aproveita desta planta, é mesmo o caule! E de preferência que sejam bem firmes e bem rosados! As folhas essas não servem para nada, visto serem altamente tóxicas!

Mas visto o não visto, o que interessa são os caules rosadinhos! E foi isso que fiz! Usar até não poder mais, tendo guardado alguns para próximas receitas! Com parte dele fiz a tarte, o doce de morango e ruibarbo soberbo como diz a minha Lia e, eu confirmo, crumble de maçã, ruibarbo e frutos vermelhos, cuja receita nunca aparecerá, porque como foi a olho e desapareceu numa noite, nem a fotos chegou. Quanto ao doce, sempre podem ver a receita e fazerem, porque não sei quando o poderei publicar por aqui!

Há também versões salgadas, mas essas não me fascinam tanto! Porque será!?!





Depois de muito pesquisar, rendi-me à Galette da Martha Stewart! Não que as outras receitas que encontrei não me fascinassem, mas não queria que a minha primeira experiência com o ruibarbo ficasse mal! Na altura fiz algumas alteraçoes, porque senão ficava sem ruibarbo! É óbvio que quando as faço, aponto, o problema é quando não sei onde ou não sei onde meto o caderno! Isto só eu! Usei uma base de massa brisé à base de polenta, da mesma senhora, que assim que me cruzei com ela, me deixou a salivar!


Galette Rústica de Ruibarbo e Morangos

Ingredientes:

Para a massa:
- 250 gramas de farinha
- 100 gramas de polenta (sémola de milho)
- 1 colher de chá de sal
- 1 colher de sopa de açucar
- 225 gramas de manteiga sem sal, fria cortada em cubos
- 80 - 125 ml de água bem gelada

Para o recheio:
- 300 gramas de ruibarbo cortado em pedaços de 1 cm
- 200 gramas de morangos lavados e cortados
- 100 gramas de açucar
- 1 colher de sopa de essência de baunilha
- 1 colher de sopa de amido de milho (Maizena)
- 1 colher de sopa de sumo de limão
- 30 gramas de manteiga fria cortada em pequenos pedaços
- 1 clara de ovo
- Açúcar mascavado escuro para polvilhar


Execução:
Na receita original a massa é feita com um processador de alimentos. Na falta dele e para este tipo de massa, as quais eu chamo de diabólicas, uso a soqueira, ou então duas facas para evitar tocar muito na manteiga para que com o calor das mãos não derreta.

Numa taça colocamos a farinha, o sal, o açúcar, a polenta e a manteiga fria cortada em cubos. Usando a soqueira, vamos trabalhando a massa de maneira a que a manteiga fique do tamanho de ervilhas. Seguidamente vamos juntando a água, pouco a pouco, até conseguirmos uma massa homogénea.

Dividir a massa em 4 porções e colocar entre película aderente e esticar até obtermos um círculo. mais ou menos 15-20 cm, e 5mm de espessura. Envolver bem cada disco e deixar repousar no frigorifico 1 hora, ou toda uma noite. ( Eu deixei descansar toda a noite)


O recheio deve ser preparado meia hora antes de o usar. Colocando todos os ingredientes numa taça e envolvendo bem, para que desta maneira o ruibarbo e o morango macerem. O facto de ter amido de milho, dar-lhe-á uma coloração rosa claro, mas que depois de cozido não se notará.

Pré aquecer o forno a 180ºC.

Retiramos os discos de massa do frigorífico e deixamos a temperatura ambiente 5 minutos. Colocamos sobre um tabuleiro forrado com papel vegetal e de seguida colocamos o recheio no centro do disco, deixando 4 cm de margem. Depois de distribuído o recheio e o respectivo suco, dobramos sobre o mesmo, a massa restante.






 Distribuir os pedacinhos de manteiga sobre o recheio e pincelar a massa com a clara. Polvilhar com o açúcar mascavado e levar ao forno durante 30 minutos, ou até que a massa esteja dourada.

Retirar e deixar arrefecer. Servir morna ou fria, simples ou com um fio de nata.






Normalmente a massa de uma galette é muito mais frágil que o normal e se a esta lhe juntamos a polenta, ainda o é mais, porque fica muito mais quebradiça. Mas nao se assustem, porque sem PRESSAS, o resultado é perfeito! E se partir um bocadinho qual é o problema? Também não se come inteira! (risos)

E devo acrescentar, que é simplesmente deliciosa!

Enquanto está no forno, é normal que alguns dos sucos comecem a sair, e parece mesmo que se vai desmoronar, mas não! Também é normal!




O que também é normal é que não aguentem muito tempo! Porque o problema é mesmo começar com uma fatia pequenina! E mais se tiverem alguém aí por casa que vos diga enquanto estão no forno: "Oh Mãe, isto cheira bem! Eu quero!!!"






O toquezinho da nata, é dica da senhora Stewart! Simples é perfeita, mas assim pintada de branco, é simplesmente fantástica!

Depois disto, só espero ter mais tempo, para experimentar o que tenho por aqui apontado!

Só espero não perder outra vez o sítio do caderninho!!